[Top 10] Mulheres inteligentes em filmes de terror

0
433
views

Eu amo horror mais que a vida, mas não dá pra negar que é um gênero bem preenchido por personagens fiéis à escolhas estúpidas.

Sob o manto do estresse mental, personagens em um filme de terror invariavelmente contrariam o bom senso e tomam atitudes impensadas que não se alinham sequer com o instinto natural de sobrevivência.

Mas, como toda regra precisa de exceções: aqui estão algumas mulheres que fazem a alcunha “sobrevivente” parecer subestimada.

(Mantive fora da lista filmes de ficção científica, por isso a ausência de personagens como Ripley)

SPOILERS adiante.

 

10 – Renai Lambert – Sobrenatural

Na boa e velha história da casa mal assombrada, Renai sobrevive tentando salvar seus filhos das assombrações que os acompanham. Mas não foi sua resiliência o que lhe garantiu um lugar na lista.

Além de aceitar bem depressa que tem algo errado com a casa, Renai toma a decisão mais inteligente na história do cinema: SE MUDAR.

Claro que não funciona. Mas ainda assim, palmas pela tentativa.

 

9 – Barbara – Night of the Living Dead (1990)

Barbara entra na lista não pela inteligência do que ela faz, mas pela inteligência do que ela representa.

Na versão original (1968) desse clássico dos filmes de zumbi, Barbara é uma coitada ridícula que passa toda a duração do longa chorando, gritando e se desesperando. Uma Inútil (maiúscula intencional)

Então, olha a delícia! No remake, os roteiristas acharam de bom tom mudar completamente sua participação, transformando a antiga vítima em uma das mulheres mais foda do cinema.

Barbara domina a situação e – em um momento realmente irônico – chega a pedir que seus colegas homens parem de gritar por besteira nenhuma.

Viva a evolução. Tá de parabéns, viu filha?

 

8 – Nancy Thompson – A Hora do Pesadelo

“Faça o que fizer, não durma.”

Tenho um carinho especial por personagens de filmes de terror que entendem depressa o que está acontecendo, e não precisam de duas horas de filme para descobrir algo que a audiência já sabia desde a sinopse.

E Nancy não apenas pega o que tá acontecendo: ela vira o jogo.

E olha que não é simples! O que VOCÊ faria se um serial killer estivesse matando todos os seus amigos nos sonhos?

Nancy faz uma armadilha. E se usa como isca. E dá certo. E só dá ruim depois porque outra pessoa se mete. E ela resolve tudo ainda assim.

 

8 – Laurie Strode – Halloween (H20)

Eu sei que muita gente não acha H20 o melhor filme da franquia, mas é o meu favorito porque… aquele final.

Pensa comigo! Você está assistindo o final de um filme de terror.

O assassino finalmente foi morto, os sobreviventes descansam sob proteção da polícia. Então a câmera segue para o corpo do assassino, uma última filmagem lenta de seus membros mortos até que… ELE SE MEXE!

Fim da cena. Fim do filme.

Quem nunca viu ganchos desse tipo?

Sabe por que eles continuam acontecendo?

Porque protagonistas de terror não são FODA que nem a Laurie, dizem “Pro caralho com essa merda” e roubam a ambulância para poder decapitar o assassino SÓ POR SEGURANÇA.

Maravilhosa, dona da minha vida.

 

7 – Claire – O convite

Outra mulher com uma dose saudável de bom senso. Claire é apenas uma personagem secundária, mas é a única que, quando as coisas começam a ficar estranhas demais na festa dos seus amigos, diz “adeus, moçada” e volta pra casa.

O filme é dúbio sobre se ela teria conseguido realmente ir embora ou não.

Mas eu gosto de imaginar que sim.

 

6 – Rebecca – Quando as Luzes se Apagam

Eu já disse que adoro personagens que descobrem depressa o que tá acontecendo?

Eu adoro.

E Rebecca não só descobre como, lembrando a Nancy, começa a desenvolver um contra-ataque efetivo baseado em sua percepção.

Adoro gente pro-ativa em filme de terror. Melhores pessoas.

 

4 – Kaylie Russel – Oculus

E falando em gente pro-ativa em filme de terror…

Kaylie perdeu os pais quando era pequena. Assassinados pelo seu irmão mais novo que passou os últimos anos preso em uma instituição.

Só que Kaylie SABE que, na verdade, foi tudo culpa do espelho maligno que enlouqueceu sua família, jogando os pais um contra o outro, e ambos contra os filhos.

Não foi um assassinato. Foi legítima defesa.

E, agora que seu irmão está livre da instituição, Kaylie decidiu que é hora de provar isso.

Ela encontra o espelho, prepara o ambiente para recebê-lo e MANO a menina é esperta.

Esse filme indie é construído de um jeito belíssimo, por sinal, alterando a narrativa entre duas linhas do tempo. É incrível. Eu o recomendaria mesmo que a personagem fosse estúpida.

 

3 – Erin – Você é o próximo

Absolutamente TUDO que essa menina faz é inteligente.

Uma lista breve:

  • Ela liga pra emergência
  • Sinal não funciona? Ela continua tentando até conseguir.
  • Ela vê se as portas e janelas estão fechadas.
  • Ela pega armas para ela e para os outros.
  • Se joga da janela sem nem hesitar quando é encurralada.
  • Continua batendo na cabeça do assassino mesmo depois que ele cai, só pra ter certeza que tá de boa.
  • Prepara armadilhas.

Cara, sério, essa mina é tão monstra que chega um ponto que o diretor diz “foda-se” e começa a acompanhar o ponto de vista dos assassinos. Porque, na real, Erin é muito mais assustadora que qualquer um deles.

 

2 – Michelle – Cloverfield Lane

 

Uma coisa é você ter treinamento para lidar com violência, como é o caso da Erin.

Outra coisa é você usar suas habilidades normais como trunfo em uma situação surreal.

Ao acordar aprisionada em um bunker, Michelle recebe, de seu captor, a informação de que o mundo acabou em uma guerra nuclear e que é fatal tentar sair dali.

Encarando elementos que confirmam essa história, bem como elementos que a contradizem, Michelle vai usar muito mais que puro bom senso para inclinar a situação a seu favor, descobrir o que está acontecendo e, se necessário, planejar sua fuga.

 

1 – Sydney Prescott – Pânico

Abram alas para a Rainha.

Sobreviver um filme de terror não é fácil.

Sobreviver quatro é coisa de realeza.

Desde coisas simples – como colocar um identificador de chamadas no telefone – até mais complexas – como colocar duas armas no mesmo lugar para enganar o assassino – a mina não decepciona.

Eu ainda era adolescente quando vi Pânico 3 e lembro de ter ficado admirada quando Syd, depois de receber uma ligação do assassino em sua casa, pega a arma, fica de costas para uma parede e espera.

TIPO! Mano, por que todo mundo não faz isso SEMPRE?

Foi incrível assistir o crescimento de sua força e empoderamento ao longo da franquia.

Com atenção especial para o fim do terceiro filme: o assassino tenta jogar a culpa de seus crimes para cima de uma mulher e sua liberdade sexual, com direito a vibe “todo mundo tá morrendo porque ela era puta” e Sydney apenas:

– Ai, cala a boca, eu já ouvi essa merda antes. Sabe por que você mata as pessoas? Porque você escolheu fazer isso. Não é culpa de mais ninguém. Assume sua porra da sua responsabilidade e vai se foder.

(Sim, isso é uma citação literal do filme)

Além do mais… criadora do double tap, né mores?

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here