A mistura entre ficção e realidade em Baseado em Fatos Reais

Após ter escrito um livro que de muito sucesso e que explora um pedaço da sua própria vida, Delphine se vê passando por um momento delicado ao pensar em seu próximo trabalho. Preocupada com o futuro da sua carreira de escritora, ela se vê recebendo cartas ameaçadoras. É neste momento de crise que ela conhece L, uma mulher elegante, inteligente, confiante e muito misteriosa. Apesar de L, aos próprios olhos de Delphine, ter alguma semelhança com ela mesma; todas as fraquezas da escritora não existem na sua nova amiga. Pouco a pouco a relação entre as duas vai ficando mais próxima, e se tornando algo complicado e obsessivo.

Baseado em Fatos Reais é um livro que não se pode contar muito sobre. É um enigma e a experiência é o mais importante. Durante boa parte da leitura você não sabe o que é ficção e até que ponto aquilo tudo se mistura com a realidade. A protagonista da história se chama Delphine, é escritora e muitas das informações que temos sobre ela são bem parecidas com as da autora do livro, a Delphine de Vigan. Boa parte do livro o leitor se pergunta se o que lê naquelas páginas é realmente o que a autora passou.

Ficção versus realidade é a grande sacada de Baseado em fatos Reais. E a autora faz diversos questionamentos e análises sobre a natureza da ficção e da verdade dentro da escrita. Onde uma começa e a outra termina. E ultrapassa essa discussão para criar um thriller psicológico bastante interessante e que capta o interesse do leitor. A obra traz reflexões interessantes e pertinentes sobre o tema, deixando o leitor cheio de perguntas e permitindo que as respostas de cada um sejam individuais. E cada análise sobre a escrita tem profundo impacto dentro da vida das personagens Delphine e L.

L, que se podemos pensar ser a primeira letra do nome da personagem, que jamais é dito; mas que se pensarmos que o livro foi originalmente escrito em francês pode ser apenas a representação de “elle”, ou seja, “ela” em francês. E o jogo de palavras é muito importante dentro da narrativa.

A versão brasileira foi feita pela Editora Intrínseca e um dos meus maiores incômodos é a tradução do título. É redundante colocar “Baseado em Fatos REAIS”. Fatos sempre são reais. Ainda assim, é a tradução mais comum para o título francês.

O filme foi adaptado para os cinemas, sendo dirigido por Roman Polanski. Em breve será lançado no Brasil, com a Eva Green interpretando L e Emmanuelle Seigner como a protagonista Delphine.

Deixe uma resposta